Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos De Todos Os Tipos E Feitios

Os não especiais

Entendam-se como especiais, os coitadinhos e os extraordinários.

 

Estava com uma doença terminal e sobreviveu? Temos herói. Não interessa que antes da doença pontapeava gatinhos e mandava piropos altamente escabrosos a pessoas. Mas atenção, antes de ser Herói já era especial: “olha coitadinho, tem cancro”. Os que morreram coitados, não resistiram.

 

A síndrome do coitadinho é bastante semelhante com a síndrome de santidade, um atribui o adjectivo coitadinho a doentes, o outro atribui a santidade a defuntos. Huh, de repente ficou um ambiente pesado.

 

Continuemos:

 

Teve 20 a tudo na escola? Extraordinário! É um exemplo! É mau aluno? Coitadinho, não é muito inteligente. Tem notas médias? Isso não é nada de especial. É só a obrigação dele. Não é suficientemente especial para ser coitadinho e é preguiçoso para ser um exemplo.

 

Sustenta uma família com o ordenado mínimo? Não é especial, há pessoas a passar fome e pessoas a ganhar rios de dinheiro. Que me interessa se tem 4 filhos, todos a estudar, não vai de férias, nenhum deles tem smartphone e não têm TV cabo? Há quem passe fome e tenha isso tudo, logo só não tem mordomias quem não quer. Chega mesmo a ser burro: é poupado o desgraçado.

 

Queremos extremos.Se és saudável não tens direito a que te realizem desejos: vais ter tempo. Provavelmente não os vais realizar porque são algo supérfluo e não vais querer arriscar, preferirás assegurar a comida do ano seguinte. Mas também quem quer saber dos teus sonhos? O que te torna especial para que eles interessem a alguém? Afinal não estás doente nem a passar fome, não foste um dos casos mediáticos da semana, nem tens um parecido. Lamento, mas és um não especial.

 

E a vida não está fácil para os não especiais.

Contem-me Histórias...

O número de pessoas que passam fome diminuiu 9,6% em 2010 devido à recuperação económica mundial e à baixa de preços dos alimentos face a 2008."

Dissessem-me simplesmente que o número de pessoas que passam fome tivesse diminuído e eu não tinha nada a dizer... Mas como é óbvio tinham que dizer que a causa era a recuperação económica (aqui já não há crise, é curioso).

Pensem comigo: Imaginemos 10 pessoas, 3 das quais passam fome. Se  a situação se mantiver o que vai acabar por acontecer?? Duas das pessoas que passam fome acabam por morrer, ou seja deixam de existir! Porquê? Porque o ser humano não sobrevive só a oxigénio...novidade, hein? Realmente o número de pessoas que passam fome diminui, mas não graças à melhoria da economia mundial mas simplesmente por que já não estão cá para serem contados nas estatísticas!!!

25 de abril

Bem, não tenho muito a dizer, mas não quero deixar passar este dia sem fazer um post, porque afinal, se não se tivesse dado a revolução, eu não poderia escrever grande parte do que escrevo (ou quase tudo)...

 

    

e no fundo no fundo, não poderia ser quem sou...

viva à liberdade de expressão!! ( ou àquela que parece existir...)

não seria mais facil??

Não seria mais fácil, se a certo ponto da nossa vida quando tudo começa a não fazer sentido, quando nos parece que para nós não há futuro, simplesmente termos a opção de parar a nossa existência?De decidir-mos que para nós já não vale a pena, não era mais fácil simplesmente parar-mos de existir e que as marcas dessa existência desaparecessem do mundo e da memória dos que mais amamos, para que estes não sofressem com o nosso acto egoísta?

É claro que a vida iria perder valor, é claro que se calhar ia perder alguma da sua magia...mas não pouparia também algum sofrimento?

  

Num segundo..

A vida é das coisas, se não a coisa mais frágil que existe..

Enquanto alguns se limitam a existir, outros vivem a sua vida intensamente, ou pelo menos assim pensam..

mas afinal o que é viver a vida? será como alguns dizem: divertir-se à grande com excessos? Não será mais do que isso? Não passará por fazer a diferença e fazer alguém feliz, ao mesmo tempo que construímos também a nossa felicidade?

Millôr Fernandes define viver como desenhar sem boracha, fernando pessoa compara a vida a uma escada sem corrimão. Não sei se já existe, mas acho que também se pode dizer que a vida é uma peça de teatro sem guião, sem número de actos ou cenas, em que tudo é possivel e que cada segundo é imprevisivel, em que cada troca de palavras e cada acção altera a história e o final de cada personagem.

Afinal a vida é tão frágil, que pode ser-nos tirada num só instante, sem aviso prévio e sem data marcada.

 

nao desistas

*Não desistas de um sonho por muito que te digam que é impossivel..se acreditas segue em frente..

 

*Não desistas de dizer a alguém o que sentes..se tens coragem, força..

 

*Não desistas de pedir desculpa a quem sabes que magoaste..dar o braço a torcer e importante e resolve situações..

 

*Não desistas de viver a vida como sempre sonhaste..desde que não prejudique terceiros e que não seja nenhum tipo de vicio ou cena marada..